A antibioticoterapia em crianças com otite aguda média

A antibioticoterapia em crianças com otite aguda média
2 de maio de 2019 Marketing

Toda infecção deve ser tratada com antimicrobianos? Essa pergunta pode parar óbvia, mas os números demonstram que não é.

 

A incidência de otite ajuda média é maior os dois primeiros anos de vida e o guideline da American Academy of Pediatrics recomenda o uso de antimicrobianos em crianças cujos sintomas estejam apenas em níveis graves. Caso os sintomas não sejam o de otalgia intensa, otalgia por mais de 48h e febre acima de 39º C, recomenda-se a observação clínica, com decisão compartilhada pelos pais e cuidadores.

 

Para obter tais respostas, a Cochrane elaborou uma metanálise do uso de antibióticos em crianças com diagnóstico de otite aguda média, e o resultado demonstrou que não houveram benefícios, pois não reduziram os sintomas e dores já no primeiro dia (risco relativo [RR] = 0,89, intervalo de confiança [IC],0,78 a 1,01).

 

Porém, as dores foram aliviada ao longo dos dias consecutivos (um em sete a 20; RR = 0,7; 95% IC 0,57 a 0,86 para redução da dor após dois a três dias; RR=0,33; 95% IC 0,17 a 0,66 para redução da dor após 10 a 12 dias). Outro desfecho com benefícios foi a redução do número de crianças com perfuração timpânica (um em 33; RR = 0,37; 95% IC, 0,18 a 0,76) ou episódios de otite contralateral (um em 11; RR = 0,49; 95% CI, 0,25 a 0,95), comparado com o placebo.